A cada uma hora, uma família em Goiás perde um ente querido por Covid-19. O Estado chegou nesta terça-feira, 12, oficialmente a 7.007 mortes pelo coronavírus depois de 290 dias desde o primeiro registro de óbito, no dia 26 de março de 2020, quando a dona de casa Maria Lopes de Souza, de 66 anos, então moradora de Luziânia, no Entorno do Distrito Federal, faleceu. 

Desde então, a expansão da pandemia fez com que se chegasse à estatística média de 24 mortes por dia, em um momento no qual as autoridades de saúde estão atentas ao início de uma segunda onda na curva epidemiológica após praticamente dois meses de queda nos números de casos e óbitos. 

Neste ano, os boletins epidemiológicos divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde de Goiás têm registrado uma média de 20 óbitos por dia, mas entre 8 e 9 possuem como data de ocorrência em 2021, o que mostra uma defasagem de cerca de 57% de dados ainda do ano passado. 

O biólogo Thiago Rangel, professor da Universidade Federal de Goiás (UFG) e que faz parte de grupo de especialistas da instituição que avalia a pandemia no Estado, acredita que a chegada dos 7 mil óbitos já tenha ocorrido anteriormente. 

“Os atrasos continuam existindo e estão até mais graves. Em dezembro tivemos uma ou duas semanas de um apagão nacional e depois tiveram os feriados em que os registros caíram muito. Goiás está sistematicamente atrasado nesses registros”, avalia Rangel. Ele conta que o atraso para a notificação de casos se dá entre 10 e 15 dias e o de óbitos pode demorar até mais. O mesmo ocorre em todo o País.  

Para Rangel, os atrasos dificultam a análise da situação da pandemia no Estado, mas de qualquer forma não é possível considerar que não se trata de algo grave. 

“Ser grave ou não é algo subjetivo e comparativo. Mas chegar a 7 mil óbitos e achar que está tudo bem, não tem jeito, não consigo ver isso como normal. Se chegasse em janeiro de 2020 e falasse que surgiria uma doença que mataria 7 mil pessoas em Goiás ninguém acreditaria, todo mundo acharia um absurdo, mas está aí”, avalia.